quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

[Opinião] “O Indesejado” de Sarah Waters (Editorial Bizâncio)

1



Ficha Técnica:

Finalista do Booker Prize 2009
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 480
Editor: Bizâncio
ISBN: 9789725304679
Coleção: Montanha Mágica

Sinopse:

Num Verão poeirento depois da guerra, na zona rural de Warwickshire, um médico é chamado para ir ver uma doente a uma casa isolada chamada Hundreds Hall. É nela que vive a família Ayres há mais de dois séculos. A casa de traça georgiana, outrora bela e imponente, está agora em declínio, com a alvenaria a cair, os jardins sufocados pelas ervas e o relógio do estábulo parado para sempre nas vinte para as nove. Os seus proprietários — mãe, filha e filho — tentam adaptar-se a uma sociedade em mudança, e apaziguar os seus próprios conflitos. Mas estarão os Ayres assombrados por algo mais sinistro do que um modo de vida que está a desaparecer?

Opinião:

A minha curiosidade em ler este livro foi aguçada pelo título, “O indesejado”. Mas em quem é que se baseia a autora para esse título? No Dr. Farady, o narrador, ou noutra entidade que apenas se manifesta de uma forma subtil?
Hundreds Hall é-nos apresentado inicialmente como uma enorme mansão, mas ao longo da narrativa esta se vai tornando mais escura e repleta de mistério e perigos. Algo vagueia pelos corredores à noite e vai influenciar as vidas de todas as personagens do romance.
A autora é bastante descritiva, o que torna a acção lenta e a leitura pesada e morosa, ideal para quem gosta de penetrar no mundo em que as personagens vivem. A história em si é cativante e faz com que o leitor tenha interesse em continuar a leitura até à ultima página. O final é surpreendente, eu estava à espera de uma conclusão e nada do que previa aconteceu, o que é, na minha opinião, um ponto positivo.
Como foi referido acima, a história é narrada na primeira pessoa, se por um lado limita um pouco o ponto de vista dos acontecimentos globais, por outro permite uma maior interacção do leitor com o romance em si.
As personagens que Sarah Waters criou são extremamente realistas e com uma realidade surpreendente. Os traumas que atravessaram marcaram a sua existência e deixaram cicatrizes bem visíveis, não só físicas como psicológicas, que afectam todas as suas decisões. Ela podia ter caído nos estereótipos comuns mas conseguiu afastar-se deles.
É um romance intenso que nos põe a olhar por cima do ombro para vermos o que não está lá, e nos dá arrepios na espinha.
Reacções:

1 comentário: