terça-feira, 20 de janeiro de 2015

[Opinião] "A Selecção" de Kiera Cass (Marcador)

0


Sinopse:

Para trinta e cinco raparigas, A Seleção é a oportunidade de uma vida. É a possibilidade de escaparem de um destino que lhes está traçado desde o nascimento, de se perderem num mundo de vestidos cintilantes e joias de valor inestimável e de viverem num palácio e competirem pelo coração do belo Príncipe Maxon.

No entanto, para America Singer, ser selecionada é um pesadelo. Terá de virar as costas ao seu amor secreto por Aspen, que pertence a uma casta abaixo da sua, deixar a sua família para entrar numa competição feroz por uma coroa que não deseja, e viver num palácio constantemente ameaçado pelos ataques violentos dos rebeldes. Mas é então que America conhece o Príncipe Maxon. Pouco a pouco, começa a questionar todos os planos que definiu para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou pode não ter comparação com o futuro que nunca imaginou. 
35 candidatas. Apenas uma coroa.



Ficha Técnica:


Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 292
Editor: Marcador
ISBN: 9789897541230
Coleção: Marcador Literatura

Opinião:

"A Selecção" foi uma grande aposta da editora Marcador, no final do ano passado, assim que vi a capa apaixonei-me por esta, sem mesmo ter lido a sinopse eu queria lê-lo. Este é um dos livros que a capa vende. Depois de ter decidido que o tinha que ler vi a sinopse e achei que realmente tinha razão e parti com expectativas elevadas para este livro, o que nem sempre é o melhor que fazemos. Mas, felizmente este livro esteve dentro das minhas expectativas. É viciante e li compulsivamente até terminar, não consegui pousar.

America é uma personagem feminina interessante e cativante, uma perfeita anti-heroína que nos trás uma história duma Cinderela relutante e cujo destino parece estar traçado desde o seu nascimento por pertencer à casta 5. Mas um acontecimento pode mudá-lo para sempre quando esta é seleccionada para ser uma das candidatas a princesas. Este é um dos mais interessantes aspectos deste livro. O facto de o Príncipe Maxon necessitar de conhecer a sua noiva desta forma e o facto dessa selecção não ser restrita às classes mais elevadas e as chamadas plebeias também poderem ser seleccionadas e terem uma oportunidade de ascenderem na classe social e ganharem estatuto.

O Príncipe é uma surpresa ao longo do livro, da forma que ele é descrito inicialmente parece ser bastante pomposo e egocêntrico mas isso acaba por se revelar como sendo errado e este mostra que é uma pessoa calorosa e preocupada com os seus súbditos e muito consciente das suas responsabilidades. 

Não consegui sentir qualquer empatia com a personagem do Aspen, achei que era bastante irritante e egocêntrico, acabando por obrigar America a fazer algo que ela não queria e isso foi um ponto negativo.

Um romance muito bom que nos deixa agarrado desde a primeira página e que nos deixa com curiosidade para ler as próximas aventuras desta personagem.
Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário