domingo, 17 de novembro de 2013

[Opinião] “As Brumas de Avalon – Volume 3 O Rei Veado” de Marion Zimmer Bradley (Saída de Emergência)

1


Sinopse:

O clássico As Brumas de Avalon regressa ao mercado português para dar a conhecer a uma nova geração esta história mágica e intemporal centrada nas mulheres que, por detrás do trono de Camelot, foram as verdadeiras detentoras do poder.

Nos anos que se seguem à coroação do rei Artur, a rainha Gwenhwyfar continua as suas manipulações para assegurar a lealdade do seu marido à igreja cristã, enquanto a sacerdotisa Viviene decide confrontar Artur pelo ato de traição contra Avalon.

Nos bastidores, Morgaine planeia o casamento de Lancelet, que ameaça sucumbir ao desespero pelo triângulo amoroso em que se vê enredado. Quando a rainha Gwenhwyfar descobre esse plano, jura vingança. Morgaine, através do seu próprio casamento, dedica-se a fortalecer a causa de Avalon. As sacerdotisas da Ilha das Brumas tudo farão para competir pela alma da Grã-Bretanha contra a maré insurgente da Cristandade. Mas que efeitos terá a chegada do jovem Gwydion, filho de Morgaine e Artur? Irá correr em auxílio do rei ou libertar o caos?

Ficha Técnica:

Chancela: Saída de Emergência
Saga/Série: As Brumas de Avalon  Nº: 3
Data 1ª Edição: 31/08/2012
ISBN: 9789896374440
Nº de Páginas: 272
Dimensões: [160x230]mm
Encadernação: Capa Mole

Opinião:

Marion Zimmer Bradley é uma autora que me acompanhou na minha adolescência e tem sido um prazer reler estes volumes. O primeiro “A Senhora da Magia” e o segundo volume “A Rainha Suprema” já foram criticados aqui no blog anteriormente.

Este terceiro volume aumenta a tensão e a acção, aproximando-se do culminar da história. O livro torna-se mais intenso com eventos que se precipitam e tornam prenúncio da desgraça que se aproxima. Cada vez mais Artur é influenciado por Gwenhwyfar e se afasta dos ideais de Avalon, sendo as sacerdotisas tratadas com desprezo e insultadas. Os padres tornam-se mais poderosos e também a crítica à religião cristã por parte. Por vezes a própria autora utiliza esta personagem para questionar a própria sexualidade de Artur. Morgaine tem sempre um único objectivo em mente, proteger Artur e impedir que ele caia em desgraça, mesmo que ele não apoie Avalon e se afaste dela cada vez mais.

Morgaine sofre uma transformação ao longo deste livro e vêmo-la a renascer, a sentir amor e a fazer parte de uma família como sempre quis. Vemos ela a tentar lutar para que os padres não absorvam para o cristianismo as tradições do seu povo mas sem qualquer resultado.

Gwenhwyfar revela-se cada vez mais detestável e hipócrita, a sua obcessão pela religião esta a destruir Camelot e Artur e afasta todos os que o podiam apoiar. Sente ciúmes da relação que Artur tem com Morgaine e faz de tudo para a humilhar.

Marion Zimmer Bradley torna-se um pouco mais crua e brutal neste livro. A sua escrita é clara e sem grandes floreados acabando por viciar os leitores na acção e nos personagens que criou.


Um livro que nos deixa ansiosos pela quarta e última parte.
Reacções:

1 comentário:

  1. Olá,

    Ai com tempo para reler livros e tudo rica vida :D

    Sem duvida que foi para mim uma saga marcante e que me fez ter hábitos de leitura, era uma saga que gostava d reler, mas não tenho tempo para isso, o que é pena, pois uma releitura vimos sempre pormenores que ao inicio nos escapa :)

    Bjs e boas leituras :)

    ResponderEliminar