segunda-feira, 11 de novembro de 2013

"A Hora tardia" de Carina Rosa

0


É tarde e sabia que o devia ter feito mais cedo. Mas ainda é tempo, porque há sempre tempo para ler e para escrever. Hoje, ainda é dia, e embora os meus dias tenham sido sempre curtos demais, neste mundo das letras, das palavras, das histórias e dos sentimentos, não posso negar a ninguém um pedido, quando me pedem que escreva, e quando esse pedido é um convite tão especial.

Foi mais um dia de sol e de calor, em meados de Novembro. É estranho, não vos parece? Estas temperaturas tão altas, num mês como este, que antecede Dezembro, o Natal e a neve, pelo menos nos nossos sonhos. Mas devo dizer que é reconfortante escrever com o sol a brilhar do lado de fora. Ora, tretas! É sempre reconfortante escrever, mesmo com frio e chuva a cair do outro lado da janela. Podemos escrever sobre sol, quando chove, e podemos escrever sobre a chuva, quando faz sol. É maravilhoso, não é? Até onde o mundo das letras nos pode levar? E é de letras que vos quero falar.

Foi neste mês, em 2012, que dei a conhecer as minhas letras ao mundo. Não vou vangloriar-me, porque hoje não é o meu dia, é simplesmente o dia do primeiro blog que me leu e criticou, e que eu descobri por acaso na internet.

Este romance de estreia é surpreendente (...) um livro empolgante que nos deixa sem fôlego.

Foi esta a primeira frase que me fez olhar para o Sofá dos Livros e decidir sentar-me nele a ler o resto. Não conhecia a Liliana, nem ninguém do mundo dos blogues, confesso, quando li esta crítica, e podem imaginar como fiquei entusiasmada ao perceber que era a primeira opinião ao meu romance. O que tinha dito eu? Que não queria vangloriar-me? Sei que já estou a fazê-lo, mas é também uma forma de vangloriar a Liliana e o trabalho que tem feito com os livros e os autores. São blogues como o dela que nos levam ao mundo, que nos dão a conhecer, que transformam as nossas letras em histórias de vida reais, para pessoas reais. Foi também ela a primeira pessoa a fazer-me uma entrevista sobre os meus escritos e quero parabilizá-la por este dia tão especial, apenas mais um de tantos que se seguirão.

Ela pediu-me que escrevesse um conto, mas saberei escrever contos? Gosto de longos romances, longos pensamentos e páginas e páginas de palavras e...não sei se saberia escrever um conto que alguém desejasse ler. É mais difícil do que parece, pôr tantas palavras e tantos sentimentos em algo tão pequeno. Sou demasiado descritiva e...sim, é um assunto a pensar, mas a verdade é que ando tão absorvida nos meus projectos que não tive tempo de pensar em fazê-lo. Gostaria de fazê-lo bem, não de fazê-lo apenas, e por falta de tempo, escrevo este texto. Não é um conto, nem uma história de vida, são apenas sentimentos aleatórios sobre a escrita e a arte que nós, todos leitores e alguns escritores, amamos. A arte que a Liliana ama.

Já não faz sol. Ele já não brilha lá fora, nem me aquece a vista e o coração. É noite cerrada e as estrelas brilham no céu, mas a temperatura está amena, tal como eu gosto, e sinto-me feliz por estar a fazer também aquilo que amo.

Com um livro nas mãos, sentados num sofá, podemos viajar para onde desejarmos, com quem desejarmos e da forma que quisermos. Podemos conhecer pessoas, locais e histórias de vida que nos marcam, que nos mudam, que nos tornam melhores. Existe viagem mais impressionante? Neste dia que é do Sofá dos Livros, dos mundos e das histórias que conhecemos e das vidas que ainda vamos conhecer, só posso desejar que a leitura seja acessível a todos e que nenhuma criança possa dizer um dia:

Eu não sei ler.

Que, pelo menos em dias de festa, o livro seja gratuito e acessível a todos, mesmo àqueles que não têm posses, porque também esses são gente, com direito a amar e a sonhar. E é por um mundo melhor que rezo hoje, sentada no meu sofá, com um livro no colo.


Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário