sexta-feira, 22 de março de 2013

“La Vie En Rose – Sem Vontade de Partir” de Carlos J. Barros (Fronteira do Caos)

0



Sinopse:

“Mãe, não tenhas medo de partir, prometo-te que vou escrever sobre os teus olhos, os mais belos que conheci.”
Julieta, uma mulher de armas habituada a lutar, vê-se confrontada com o seu mais cruel desafio – um maldito tumor que se apoderou dela sem permissão. Não baixa os braços e empreende uma luta feroz contra a doença. Ao som de “La vie en rose” sofremos com Julieta, sentimos a sua dor silenciosa e apaixonamo-nos por ela. Pela mão de seu filho conhecemos a sua grande paixão por Henrique e o irromper, pujante, do primeiro amor. São inúmeras as cartas apaixonadas que ambos trocaram entre si e que nos transmitem um amor desenfreado, mas sofrido, repleto de emoções únicas que ultrapassaram barreiras e preconceitos. A chegada de uma carta, o céu que se abre… São escritos que ficam gravados para sempre, recordações que não se esquecem, uma autêntica vida.
“La vie en Rose” não é uma história com final feliz, mas respira-se nela felicidade e uma doce nostalgia na evocação do passado de Julieta. Uma história tocante, arrebatadora e que todos gostaríamos de ler, sobre a melifluidade e o poder transformador do amor, a alegria, a dor da perda… Eis um hino de amor, numa intensa sinfonia verbal pintada em cores alegres, de um filho para a sua Mãe. “O seu sorriso estende-se, de onde Ela está, até aqui. Vejo-o agora. Está aqui poisado na minha mão, na palma. Sei onde Ela está e quem encontrou.”

Ficha Técnica:

Editora: Fronteira do Caos Editores
Data de Lançamento     Junho 2012
ISBN      9789898070913
Nº Páginas         290
Encadernação   Capa mole

Opinião:

Como é que um filho diz adeus a uma mãe? Esta é a temática deste livro de Carlos J. Barros.
Julieta encontra-se na etapa final da sua vida, consumida por um tumor, sofre. O seu filho encontra um molho de cartas que ela guardava, e pelas palavras de Henrique, seu pai, descobrimos e conhecemos Julieta e o amor impossível que os unia. Carlos J. Barros encontrou as cartas tocadas pelos mais e decidiu romanceá-las e nasceu assim este livro bastante interessante. O autor é directo na sua escrita sem floreados nem rodeios.
Numa viagem entre o passado e o presente, ficamos envolvidos na escrita de Carlos e na forma como conseguiu homenagear uma pessoa, e demonstrar o amor que une uma mãe e um filho.
As cartas retratam apenas momentos da vida de ambos, sendo a sua maioria escritas por Henrique, o que limita um pouco o conhecimento de todas as circunstâncias. Temos um vislumbre da vida de Julieta e de um amor que dominou a sua vida. E sempre ao ritmo da musica "La vie en rose".
Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário