quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O Fim - parte 2

1

(link para a Parte 1)


Manuel subiu para o seu quarto. Estava preocupado com o seu avô e com medo do que iria acontecer. Estava tão absorto nos seus pensamentos que nem reparou logo no pequeno embrulho que estava pousado na sua almofada.
Ele abriu o embrulho, este continha um envelope e um livro, o “1984” de George Orwell Uma lágrima correu-lhe pelo rosto. Com as mãos trémulas, pegou no envelope. Tinha receio de o abrir. Estas eram as últimas palavras que o avô escrevera para si. Rasgou o envelope lentamente, retirou com gentileza a carta manuscrita.
Meu Caro Neto,
Se estás a ler isto é porque acabaste de me ver a ser levado pela polícia, eu já sabia que eles vinham. O meu amigo Francisco foi preso há uns dias atrás e eu sei que ele vai falar dos meus livros. Decidi oferecer-te pelo natal o “1984” porque é muito semelhante ao que se passa nestes tempos conturbados, espero que este te ilumine no futuro. Aconteça o que acontecer, mesmo que eu não volte tens de proteger os livros, e não deixar a cultura morrer.
Conto contigo meu neto querido, os meus livros estão escondidos na cave, tens de os mudar arranjar um lugar seguro, onde ninguém os encontre. Já tens dezoito anos e agora esta responsabilidade recai sobre ti. Perdoa-me.
O teu avô que te ama muito.
Fernando
Manuel releu a carta. Afinal era verdade, ele estava a esconder os livros do governo. Sentiu-se orgulhoso do seu avô, apesar da sua idade, era um revolucionário. E agora ele tinha de o ser também. O risco era muito alto, mas tinha de o correr.
Tinha de esperar que todos adormecessem para retirar os livros. Ele confiava que a casa não estivesse a ser vigiada, apenas quando as pessoas recolhessem às suas casas para dormir é que ele conseguiria confirmá-lo. Deitou-se na cama a ler o seu novo livro. Ele devorou as páginas, tudo o que estava a acontecer no seu mundo tinha um paralelo nas palavras que o autor havia escrito décadas antes. Eram altas horas da madrugada quando terminou, todos dormiam e era uma excelente altura para ver se a costa estava livre e tentar sair com os livros. À primeira vista, na rua estavam estacionados os carros habituais, mas uma segunda verificação revelou um carro que nunca vira antes. De certeza que estavam a tentar apanhar alguma coisa. Como por exemplo, ele a sair com os livros. Tinha de engendrar um plano para conseguir tirar tudo da cave. Primeiro tinha de encontrar o lugar ideal, não podia ser na sua casa, a sua mãe matava-o. Mas, o cansaço estava a levar a melhor, naquela hora tardia, o melhor era mesmo deitar-se a descansar. De manhã era um dia novo e podia pensar no que fazer. Primeiro tinha de ir à cave ver o que o esperava. No silêncio da noite conseguia ouvir um soluçar vindo do quarto da avó, a qual lamentava a ausência do seu amado esposo.
A partir desse Natal as coisas mudaram drasticamente. Para além do avô Fernando, outros intelectuais e donos de grandes quantidades de livros não registados, foram arrancados de suas casas. As famílias tentavam saber novidades, para onde os tinham levado, como se encontravam. Mas, na esquadra da polícia ninguém sabia de nada, não haviam quaisquer registos de detenções nem de quaisquer missões. Cada vez mais desesperados, não entendiam o que se passava.
Manuel acompanhou a avó Maria e o seu pai Filipe, numa tentativa de encontrar o seu avô, mas as suas esperanças foram logradas. Um velho amigo da família, o agente Fernandes, trabalhava no posto da aldeia, ele informou-os que nada havia passado por lá. Mas corriam rumores que o governo havia criado uma secção secreta que estava a levara cabo raptos por todo o país. A verdade é que em todo o mundo o mesmo se estava a passar. Os livros estavam a ser todos registados e quem não o fizesse era levado como insurgente.
Regressaram devastados. Sem notícias e com o coração despedaçado, não sabiam mais o que fazer.
Manuel pediu ao seu pai para ficar com a avó, para lhe fazer companhia. Pedido esse que foi logo aceite por Filipe, o qual ficava mais descansado com ele por lá e orgulhoso da iniciativa do jovem. Sem saber que ele tinha uma segunda intenção em ficar lá em casa, pretendia ir à cave.
 A sua avó recolheu-se cedo. Eles não trocaram nem uma palavra, ela estava cada vez mais deprimida, parecia que a sua vida se esvaía lentamente, como uma vela quê se estingue. Ele preocupava-se com ela. Tinha de arranjar uma forma de a animar, mas não lhe ocorria nada.
O seu avô costumava guardar a chave da cave no seu escritório. Manuel vasculhou em todas as gavetas sem sucesso, tirou todos os papéis. Olhou desesperado, mas onde estaria?
Enquanto procurava na primeira gaveta novamente esta caiu e revelou um compartimento secreto. No seu interior encontrava-se a malfadada chave. Apressou-se a ir até à cave. Quando lá chegou ficou estarrecido, a velha cave havia sido convertida numa biblioteca. As estantes chegavam até ao tecto, o espaço entre elas mal permitia uma pessoa passar de lado. Como é que eu vou tirar isto daqui? Pensou ele.
Reacções:

1 comentário: